quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Se não for devagar, que ao menos seja eterno assim

 Título do post retirado deste clipe, de uma banda que gosto muito:




  Hoje em dia, todo mundo corre. Não importa a direção, o sentido, o objetivo, todo mundo corre. Espeto corrido, ficar só por ficar, deixar tudo de última hora, você vive em função do tempo. E para suprir a lacuna deixada nos que correm, é tudo fast.
  Quando foi a última vez que você se deu a chance de ouvir uma banda ou um disco inteiro só para sentir a vibe e ver no que ia dar ? Não é nem " eu quero ouvir essa banda", é a própria banda que procurando insaciavelmente simpatizantes de suas músicas diz " queremos que você nos ouça". O que pode ser ora realmente uma boa surpresa, já que não nos damos ao menos o direito de se surpreender no cotidiano de tão ocupados que estamos; ora tanto quanto ruim, desperdício de tempo e bem, como todos nós sabemos, tempo não se pode desperdiçar.
  Ainda mais nestes anos 2000, era da internet. Redes sociais, arquivos para baixar, sites e mais sites lutando por um espaço em nossos monitores, informação em tempo real, informação, informação, informação, informação, informação, informação, informação, INFORMAÇÃO! Não vai ser raro ver um jovem ter uma overdose de informação e ficar mal por isso. É tanta informação vindo de tudo quanto é canto que você se sente em um tiroteio. Bem, pelo menos eu, no começo da segunda década deste século, me sinto assim.
   E como vivemos correndo, certamente não vamos parar para ver o prazer das pequenas coisas da vida (mais clichê não há neste momento), olhar mais em volta da gente, tampouco deixar de ser deixar de ser dependente da informação que vive de mão dada com o tempo, muito menos parar um pouco e analisar no geral como as pessoas à sua volta ou a sua geração está fazendo com sua vida, com seu precioso tempo.
  O negócio é o seguinte: se você come, não mastigue bruscamente. Deguste, sinta o sabor. A comida não vai fugir (a não ser que seja rodízio). Você vai tirar melhor proveito, tenha certeza.
  E o que eu quero com tudo isso ? Nada de importante, apenas que você fique um pouco no modo slow-motion, que pense nisso tudo que escrevi, que goste deste texto e de tantos outros que tem neste blog e que, por fim, tenha consciência de que este é um desabafo constatado de uma jovem do começo do século XXI.
  Apenas mais uma na multidão de tantos outros que fazem as mesmas coisas dentro de uma mesma vida. Ou será que não?
  E eu espero que nós não tenhamos uma overdose de informação com tempo limitado. Quem sabe, as próximas geraçãoes tenham ...