domingo, 24 de outubro de 2010

De fulano para siclano

   Século XXI. Vivemos em uma sociedade, que é baseada no constante desenvolvimento. Principalmente quando falamos de tecnologia, e consequentemente de  internet. Mas pelo que me parece, a internet está substituindo coisas que fazíamos, como o ato de escrevermos algo para alguém, traduzido em vários tipos de sentimentos em uma carta. E será que isso é bom ? A meu ver, não.
  Por isso escrevo este post sobre declarações. Parece vago, realmente, mas do vago podemos extrair coisas significantes, de modo que se torne algo mais complexo do vago que foi um dia. Entende ?
     Quando eu tinha uns 10 anos, descobri os cartãozinhos animados, recados online com mensagens afetuosas e patati patatá. Comecei a adentrar nessas coisas. Mandava uns trocentos cartões para as pessoas das quais eu tinha o email, achando até que isso era um gesto bacana. Bem, bacana até é, mas é superficial. E vou te dizer por que acho isso.Porque são coisas que qualquer um pode escrever, é generalizado,isto é, não é específico, pode se aplicar a homem,mulher,traveco ou calopsita ( calopsita é um pássaro parente da caturrita, eu acho). E como naquela idade não tinha maturidade para perceber, agora já no alto dos meus 15, questiono : será que obtinha sucesso ao tentar transmitir meus sentimentos pela pessoa com cartões medíocres como aqueles ? Talvez. Tem gente que percebe nossa intenção, mas digo que são poucas tais pessoas.
    E dos cartãozinhos, evoluí para a ferramenta que move montanhas em qualquer relacionamento para 9,5 em cada 10 pessoas desse Brasil varonil : o Orkut. Se já achava legal mandar cartão pela internet para as pessoas,imagina agora poder mandar um singelo recado para a pessoa,e pior: com a chance da pessoa me responder. Ah,que tudo. Teve uma vez que eu mandei recado para cada uma das pessoas que eu tinha no Orkut , desejando um feliz dia do amigo. E isso quando não tinha aquele troço de poder mandar um recado de uma só vez pra todo mundo. Haja dedos .
    E, por último, os emails. Achei por um curto período de tempo eficiente escrever emails para pessoas, perguntando como estão e otras cositas más. Mas como disse, foi um curto período de tempo.
   Sabe o que percebi ? Que tudo isso virou de praxe, de modo que fica parecendo rotineiro.Que perde a essência do sentimento muitas vezes. Tudo bem, pode vir alguém aqui me dizer que eu posso estar sendo limitada, que dá tranquilo para transmitir emoções etc e tal, mas eu tenho minha opinião. E na minha opinião, o ato de transmitirmos nosso sentimentos em relação à outras pessoas está sendo banalizado com o passar do tempo. É tão banalizado que quando chega meu aniversário, eu conto quantos scraps me mandaram no Orkut.E o pior é que eu sei  ridículo e pura encheção de linguiça.

      " Acho que cartas são uma forma de parar no tempo, porque você escreve o hoje para alguém ler amanhã.
  E quando o alguém ler amanhã, ele vai conseguir sentir o que você sentiu no hoje."
     ( Clara Rosa, em uma conversa de msn, quando requisitada sobre o tema do post)

    De uns tempos para cá, tenho percebido o quão poderosa pode (ainda) ser uma carta escrita à mão. Já escrevi 6 cartas em menos de um ano para meus amigos. E olha que escrevi bastante. Porque defendo a ideia de que quando escrevemos sinceramente para alguém, conseguimos mostrar como nos sentimos, caso contrário, é pura encheção de linguiça, como a maioria  do que vejo as pessoas mandarem por aí na internet.
    Agora vem alguém e diz : " Mas não! Eu posso mandar um depoimento para alguém em um site de relacionamentos e a pessoa vai entender minha intenção".É,pode ser . Se tu quiser deixar escancarado pros quatro cantos da internet que tu ama ou odeia a pessoa,tá tranquilo. Mas muitas vezes, isso é feito só para se aparecer. E se fulano tem total segurança de si, manda uma carta para a pessoa, ou liga ou MELHOR AINDA: dá as caras e fala ao vivo e a cores com a própria pessoa. Demais,não ?
   Portanto, considero esse ato de transpor sentimentos para outras pessoas algo fascinante demais para se mandar pelo computador. Quando se é verdadeiro, a coisa rola ( sem malícias ...) . Tudo bem se você não sabe escrever bem, se não consegue por uma emoção na sua declaração escrita. Faz a carta mais tosca que tiver, ou então faz serenata, faz um desenho,dá um presente,dá um tapa ou uma voadora ... contanto que seja verdadeiro, capisce ?
  Agradeço desde já por ter chegado aqui .

  Jaqueline Damazio

  P.S.: Dedico este post a qualquer um que me entenda e que compartilhe da mesma opinião que a minha. Ou não. Se não, vai plantar batata lá nos cafundó ( para não dizer coisa mais pesada).
  E FUI.